Chevrolet Belair (2)


A ilha dos órfãos está cada dia mais impressionante… também chamada de Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.

Mais uma contribuição de Matheus Marques.
========================================


56 comentários em “Chevrolet Belair (2)”

  1. PUTZ que desperdício!!!!

  2. não tá com cara de que está muito tempo orfão…

  3. um clássico.e essas placa parece desse modelo atual mas é amarela.

  4. tem certeza que esta orfão? ta com mta pinta ñ… apesar do pneu mucho.
    ou pelo menos ñ esta ai a mto tempo…lindo krro..

  5. Será mesmo abandonado? Está muito inteiro e os pneu bem cheios. Um carro desse deve valer um bom dinheiro.

    • O pneu dianteiro nao ta nada cheio… olha a sujeira abaixo do carro, contornando seu desenho… tá ai há um bom tempo!! OBS: Continuo intrigado com a placa amarela com tarja!!

  6. Olha o que tá torto o bicho, deve ter massa que ñ acaba mais, 4 portas ainda….

  7. Belo carro! O dono deveria vendê-lo, isso é um carro raro.

  8. nossa meu pai teve 1 muito grande e beberrão fazia acho que 0.5 km por litro

  9. Chevrolet Belair? Não é por nada não mas esse carro esta me parecendo um chevrolet Impala , muito quadrado pra seu um Belair….tenho minhas dúvidas, verifiquem

  10. É Belair sim,da para ver o emblema na lateral e o Impala tinha 3 lanternas atrás

  11. poxa bela banheira… gosto de carros assim, mas realmente que raio de placa amarela é essa? será que o dono gostava tanto que resolveu pintar a placa cinza de amarelo? mistério ou montagem na foto hehe.

    • Essa placa me intrigou também… Achei ela muito parecida com a cinza, inclusive pela plaquetinha na parte de cima.
      Consta no documento do site do Detran essa placa, correspondente a esse carro, com o algarismo “3465” no campo “PLACA”, mas consta também em “PLACA ANT/UF” outra placa completamente diferente, com o algarismo “2125”.
      Alguém sabe me explicar o porquê disso?

      • Ah, sim. Só prá completar: ambas as placas (3465 e 2125) têm duas letras só, sendo amarelas.

        • Isso quer dizer que ele trocou de cidade durante a vigência das placas amarelas.
          Cada vez que um carro trocava de cidade, trocava de placa também.
          Ou mesmo dentro da mesma cidade a troca era possível, era só pagar.
          Naquele tempo as CIRETRANS faziam leilão de placas com número “atraente” (por exemplo 3333, 4444…), o sujeito que comprava colocava no seu carro, vendia o carro mas ficava com a placa, entende? Aí colocava a mesma numeração no carro novo que comprava. Isso dava uma confusão… aparecia multa pela placa mas que era de outro carro, ixe, ainda bem que mudaram isso.

          • … Não creio que no documento esteja especificado ser um Bel Air.
            Do jeito que era feito na época deve constar somente IMP/CHEVROLET.

          • Bom, no documento impresso, de papel, eu de fato não sei o que está escrito. Eu sei o que está escrito na versão virtual do documento do carro, a que qualquer um tem acesso, pelo site do Detran.
            E lá, como eu já disse, no campo “MARCA/MODELO”, está escrito exatamente o seguinte: “IMP/BELAIR”.

  12. Eu acho que é um Chevrolet Impala talvel 1965, só que na foto que eu achei no google aparece a versão SS configuração de 2 portas, mas o modelo é muito parecido

    • O ano é 1965, sim. Mas, segundo o próprio documento no site do Detran, é um Chevrolet Bel Air.

    • Ricardo, nesta época, tanto o Bel Air quanto o Impala eram praticamente idênticos. A diferença mais evidente é que o Bel Air além de mais simples tinha duas lanternas traseiras enquanto o Impala tem três…

  13. nossa! agora judio eim!

  14. a ilha do governador está abandonada??? só tem carro órfão lá! rsrs

  15. Pneu cheio? Onde? E já ouviram falar em pneu com câmara?
    É Bel Air mesmo, 65, os posteriores têm as lanternas mais embaixo. E os 64 têm lanternas retangulares.
    Lindo, eu adoto!

  16. Vc me delculpe Fernando mas isso de ter o emblema ao lado não quer dizer nada , é só colocar um e fica por isso mesmo , eu estou dizendo em relação ao formato da carroceria, não me lembro de ter visto um Belair em toda a minha vida com essas formas , se é um belair mesmo tenho que admitir que é o primeiro desse jeito em toda a minha vida….

    • Tá aí um Bel Air 1965, idêntico ao da foto do blog:

    • Outra foto de outro Bel Air 1965, também idêntico:

    • Ô RICARDO, PRA ACABAR COM ISSO: É UM BEL AIR CARA!
      Ele é um chevrolet MODELO BEL AIR! tem o modelo IMPALA que difere acabamento! Impala muito mais comum, Bel air não! Impala é melhor e mais bem acabado, mais completo (3 sinaleiras de cada lado Bel Air só duas!) O equivalente ao opala nosso seria o standard=bel air , Impalas o Diplomata!
      Acho que ajudei um pouco

  17. putz, deve ter muita massa na lataria…

  18. ok resolvido o impasse , após exaustiva pesquisa de internet

    1959–1965: modelos medianos
    Em 1959, a Chevrolet elevou o Impala para o status de tope de linha, fazendo o Bel Air um modelo mediano. O Biscayne substituiu o declinante Delray como o último modelo caro de alto padrão da Chevrolet.

    À partir de 1960, Bel Airs e Biscaynes podiam ser facilmente reconhecidos pelo uso de lanterna traseiras duplas em cada lado; os Impalas tinham três lanternas traseiras por lado. Também, o Bel Air possuía mais detalhes cromados no interior e exterior que o Biscayne. Muito dos acessórios e opções disponíveis no Impala também se encontravam no Bel Air.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Chevrolet_Bel_Air

    Detesto ficar em duvida….mas , resolvida a questão

  19. Aqui vai a historia da origem do belair para quem tem interesse. um abraço a todos !!!

    Chevrolet Bel Air
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Ir para: navegação, pesquisa
    Chevrolet Bel Air

    Construtor: Chevrolet
    Produção: 1940 – 1959

    O Bel Air é um automóvel que foi produzido em série de 1953 a 1975 pela Chevrolet, uma divisão da General Motors. De 1950 a 1952, os Chevrolets de luxo eram chamados de Bel Air, porém essa não era uma série distinta de automóveis. O Bel Air continuou em produção no Canadá com o modelo de 1981.

    Índice :
    1 História
    1.1 1953–1957
    1.2 Bel Air 1958 e Bel Air Impala
    1.3 1959–1965: modelos medianos
    1.4 1966–1975: modelo inferior

    2 2002 Bel Air

    História
    1953–1957
    Em 1953 a Chevrolet renenomeou seus carros e o nome Bel Air foi dado a um modelo de nível superior. Também surgiram duas séries inferiores, a 150 e a 210. Em 1955, os Chevrolets ganharam a opção de motor v8.

    Em 1955, o Chevrolet foi re-estilizado, e ganhou o apelido de “The Hot One”. Os Bel Airs vinham com acessórios encontrados em modelos de menor categoria, mais interior encarpetado, diversos cromados, e calotas estilizadas. O modelo era diferenciado também pelo nome escrito em letras douradas.

    Os modelos de 55, 56, e principalmente de 57, são os carros americanos mais relembrados; os exemplos bem mantidos (especiamente coupés e conversíveis) são muito procurados por entusiastas. Espaçosos, eficientes, e com belos acabamentos cromados e cauda, eles são vistos como muito mais belos e superiores que os carros que frequentarão Detroit pelos próximos anos.

    De 1955–57, a produção do station wagon duas-portas Nomad foi atribuída à série Bel Air, mesmo que seus formato e guarnições fossem exclusivos do modelo. Prioridade para se tornar um modelo de produção regular, o Nomad apareceu primeiramente baseado na concepção do Corvette 1954. Mais recentemente, foram revelados dois carros conceitos com o nome Nomad em 1999.

    Traseira de um Chevrolet Impala 1969[editar] Bel Air 1958 e Bel Air Impala
    Para 1958, os modelos da Chevrolet foram redesenhados para serem mais largos, compridos e pesados do que os anteriores de 1957. Novamente, o Bel Air permaneceu como um Chevrolet tope de linha, seguido pelo rebatizado Biscayne (originalmente o 210) e o Delray (150.) O design da Chevrolet nesse ano foi melhor que o de outras divisões da GM como a Pontiac, Oldsmobil, Buick e Cadillac, que abusaram de cromados. Complementando o design dianteiro do carro, foram inseridos uma grade larga e faróis quadrados; a cauda recebeu seções aerodinâmicas em ambos lados, que abrigaram lanternas duplas traseiras.

    O Bel Air também ganhou uma nova versão em 1958 (como jogada de marketing), o Impala, disponível apenas como coupé e conversível na sua introdução. O estilo do Impala seguiu as linha básicas de outros Chevrolets com detalhes próprios.

    1959–1965: modelos medianos
    Em 1959, a Chevrolet elevou o Impala para o status de tope de linha, fazendo o Bel Air um modelo mediano. O Biscayne substituiu o declinante Delray como o último modelo caro de alto padrão da Chevrolet.

    À partir de 1960, Bel Airs e Biscaynes podiam ser facilmente reconhecidos pelo uso de lanterna traseiras duplas em cada lado; os Impalas tinham três lanternas traseiras por lado. Também, o Bel Air possuía mais detalhes cromados no interior e exterior que o Biscayne. Muito dos acessórios e opções disponíveis no Impala também se encontravam no Bel Air.

    1966–1975: modelo inferior
    No final dos anos 60 (com a introdução do Caprice), os Bel Airs e Biscaynes ficaram estacionados nos pátios das fábricas, e foram sendo vendidos para frotas automotivas. Contudo, o Bel Air continuou disponível para clientes que o procuravam.

    Quando o Biscayne saiu de linha após 1972, o Bel Air foi reduzido a um modelo de baixo padrão. Os últimos Bel Airs foram produzidos em 1975.

    A Chevrolet Canadense continuou com o Bel Air de baixo preço através do modelo de 1981 .

    2002 Bel Air
    Em 2002, um Bel Air conceito conversível foi exibido na North American International Auto Show. Ele possuía muitos recursos de design dos modelos de 1955–57, e lanternas traseiras muito similares às do Ford Thunderbird. No entanto, a General Motors não mostrou nenhum interesse em produzir tal carro.

    Ligações externas
    Uma página direcionada a Bel Airs de 1955–1957

  20. Esse parece ser 1965..

  21. NÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    QUEM EM SÁ CONSCIENCIA ABANDONA UMA NAVE DESTAS??????????????

  22. O banquinho com encosto alto no lado passageiro matou a nave………inteiriço nele!

  23. recuperavel se fosse aki perto eu adotaria sem pensar duas vezes

  24. Gostaria de esclarecer algumas dúvidas surgidas em relacao a placa amarela com tarja: Aqui no Ceará, logo que o Paraná (o pioneiro) começou a utilizar as placas cinzas, as placas amarelas passaram a sair com tarja.
    Na epoca, existia uma divisão das letras entre as cidades do Ceará, como existe hj entre os estados. E as cidades do interior, que dividiam as mesmas letras com um grupo de cidades, usavam tarja, mas somente com o nome da cidade. A sigla do estado já vinha gravada na propria placa. Se mudasse de cidade que pertencesse ao mesmo grupo de letras, trocava apenas a tarja da cidade.
    Mas sobre a pessoa ser dona da placa, nunca ouvir falar disso. Pelo que conheço do codigo de transito, a placa pertence ao carro e nunca ao dono dele.
    Caso de alguns paises da america do sul, USA e Canada: Sim, a placa pertence à pessoa, nao ao carro.

    • Pois é Quezado, já vi aqui em Porto Alegre um Passat Iraquiano 86 acho (isso lá por 97) com placa amarela de Teresina acho e uma tarja vermelha se não me engano.
      Sobre ser dono de placas, tinha como sim, era só fazer uma solicitaçao por escrito ao delegado de transito explicando um motivo e tal, ai podia se trocar de carro e ficar com o mesmo numero de placa. (em SP que era muito comum isso, principalmente as de numero muito baixas, tipo 01, 02, 03 nas dec. de 40, 50 e 60, davam ar de imponencia e status ao dono do carro )
      Abraço

  25. Para ficar de luto….

  26. Não sei se pode escrever palavrão por aqui, mas não tenho mais nada a dizer além de: puta que pariu!!!

  27. achhei esse carro mais imponente que o similar Ford Galaxy.

  28. Incrível mesmo é esse choque de dois mundos, quase literalmente:

    • Não, não, você esta confundindo a tarja com o nome da cidade com a plaqueta de licenciamento!
      Essas placas amarelas com a tarja do nome da cidade foram (re)feitas provavelmente quando os fabricantes não tinham mais chapas de fundo para placas amarelas em estoque; então usavam as do padrão atual, com tarja mesmo, só que pintadas de amarelo.
      E tinha sim como ser “dono da placa”, pois eu mesmo emplaquei três carros meus consecutivos com a placa VV-3333, quando vendia um carro eu fazia a troca antes de vender e depois emplacava o novo carro com essa.

  29. Nossa lindão! Adoro essas “banheiras”.

  30. Fiz um post sobre esse carro no meu blog, com uma foto de frente também.
    Quem quiser conferir:

    http://essevaleumafoto.blogspot.com/2010/11/chevrolet-bel-air-sedan-1965.html

  31. cara esse carro so foram 40 deses no brasil como que uma pessoa pode abandonalo me passa o enderesso que eu vou busca

  32. Vamos la , este carro pertence a uma pessoa conhecida e esta a venda sim .
    Interessados entrem em contato pelo email cbolinhadegude@hotmail.com

  33. Esse carro é um Bel Air ano 58 e está a venda.

  34. – O mais interessante era saber onde dentro da ilha do governador esse belissimo exemplar da engenharia automobilistica esta localizado para quem pode adotar e fazer essa maravillha voltar a enfeitar as ruas e avenidas cariocas

  35. linda barca tive um que saudade

  36. uma raridade da chevrolet mas pode virar chevrolata

  37. Qeu desperdicio, uma raridade dessas acabando assim,


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: